Recobridores de Gordura e Palatabilizantes

      Nenhum comentário em Recobridores de Gordura e Palatabilizantes
Seguindo o nosso fluxograma a próxima etapa é a aplicação de óleo e palatabilizantes. Esse processo pode ser feito de várias maneiras estarei explicando cada um deles a seguir.

O primeiro tipo de recobridor de gordura e palatabilizantes  que as fábricas de ração utilizaram foi o uso de um tubo rotativo de inox com bicos de aspersão. No início do tubo era feito a aplicação do óleo e na saída do palatabilizante. Para fazer o produto passar pela tubulação era necessário colocar o equipamento com um desnível de 10 a 15º e um motor de 2 HP fazia tração para que ele ficasse girando e com isso o produto recebia o recobrimento com os produtos. Esse tipo de equipamento foi trago para a indústria da indústria de salgadinhos ou snacks tipo fandangos ou cheetos que utiliza o mesmo processo para fazer aplicação de sabores nos produtos.

O Segundo tipo derecobridor de gordura e palatabilizantes foram através de uma torre de aplicação com duas roscas transportadoras só que ao invés de um helicoide o transportador dela possuía pás metálicas que conduzia o produto e não o quebrava durante o processo de aplicação, por ser em torre e fazia com que o produto passasse de uma rosca para outra através de quedas até chegar a próxima etapa do processo.
Para a época o processo era bom, pois conseguia recobrir bem a ração e por ser uma torre não ocupava muito espaço. Ele acabou resolvendo um dos maiores problemas que o seu antecessor tinha, que era a perda de óleo e palatabilizante para o ambiente. Como produto é vaporizado em cima da ração, no modelo acima ele se perdia para ambiente por causa das aberturas na entrada e na saída, não tinha como se controlar esse tipo perda na época e quanto mais calor fazia maiores eram as perdas.
Os modelos mais atuais de recobridor de gordura e palatabilizantes utilizam sistemas de misturador de duplo eixo para melhor homogeneizar o produto com o óleo e o palatabilizante. E o melhor de todas as inovações é que o processo é feito em bateladas e dessa forma é possível dosar exatamente a quantidade de óleo e palatabilizante que será dosado nas rações para elas fiquem com a mesma quantidade em todos os pontos do misturador.
O fluxograma desse novo processo é o seguinte:
Silo pulmão: Como o processo é feito em bateladas colocamos uma silo pulmão com a mesma capacidade que o equipamento estará trabalhando, o equipamento trabalha com 10% da capacidade nominal da extrusora, ou seja, se a linha faz 2.000 Kg/h o silo pulmão e o recobridor de gordura e palatabilizantes estará trabalhando com 200 Kg/batelada.
Tanques de Serviço: Essa linha necessita de dois tanques de serviço, ou tanques pulmões, sendo um para o armazenamento de gordura e outro para o armazenamento de palatabilizante, esses tanques irão dosar os seus conteúdos para dois tanques menores na quais serão pesados de acordo com a quantidade de ração que estará dentro do recobridor.
 Tanques de Pesagem: São dois tanques em aço inox, sendo um para pesar o óleo e o Palatabilizante e outro embaixo para descarregamento da pesagem e aplicação dentro do recobridor. Os tanques possuem filtros que impedem a passagem de impurezas e consequentemente o entupimento dos bicos.
Recobridor: O Recobridor ou V.C(Vaccum Coater) é o principal equipamento e esse irá receber primeiramente a ração que estava armazenada no silo pulmão na parte de cima dele. Assim que receber toda a ração as células de cargas que estão nas suas bases irão fazer a leitura do peso interno e enviar para o sistema qual a pesagem exata que está dentro do sistema. De acordo com o peso da ração é que será pesado o óleo e o palatabilizante.
O misturador trabalha com as pás rodando em sentido inverso de uma para outra, ou seja, as pás vão do centro para as extremidades para que ela pegue o produto que está embaixo e jogue para centro do misturador. Fazendo esse movimento todas as partículas de ração consegue receber o spray de óleo e palatabilizante que será adicionado dentro do misturador.
A sequência do processo para esse misturador é o seguinte:

1    1)       Recebimento da Ração;
2    2)      Aplicação de óleo;
3    3)      Aplicação do Palatabilizante (líquido ou pó);
4    4)      Aplicação de componentes em pó (Leite em Pó, vitaminas…)
5    5)      Descarregamento;
Em um tempo de aproximadamente 5 minutos todo esse ciclo tem que se completar para que o processo não pare a produção.
A aplicação de pó é um ponto interessante, pois existe uma tendência de se passar a usar palatabilizantes em forma de pó. Outro uso interessante para esse aplicador de pó é a utilização dele para aplicar leite em pó em rações de filhote ou premix, vitaminas ou medicamentos para ração especiais como para cães/gatos obesos, idosos ou com alguma necessidade especial.
Utilizando o recobridor sem a utilização de vácuo já melhor e muito o processo produtivo, com ele é possível reduzir a quantidade de óleo e palatabilizante aplicado na ração, é possível ter a certeza que toda a ração que está dentro do recobridor recebeu a quantidade exata de produto que se deveria receber. Mas esse é um recobrimento externo do produto. Para ração tandard e combate é mais do suficiente o processo, porém quando se quer fazer uma ração de Premium, super Premium ou High Premium, é desejável que o óleo permeie os poros da ração e esse se aloje internamente também. Para fazer esse tipo de aplicação se utiliza o mesmo sistema de aplicação, porém necessita de uma bomba de vácuo que irá tirar todo ar interno da área de aplicação para que quando o óleo e o palatabilizante cheguem até o produto, rapidamente ele seja absorvido para o interior da ração.

Segue vídeo do sistema de aplicação dentro do você e da movimentação das pás: Vídeo Recobridor de óleo e Palatabilizantes

No Brasil são poucas as empresas que trabalha com esse sistema ele não um sistema muito caro, mas acredito que não são todas as empesas que colocam o esse sistema de vácuo mais por causa da posição de mercado que elas ocupam hoje, 90% das empresas instaladas no Brasil trabalham com ração de combate até Premium e para essas rações o V.C. (Vacum Coater) irá atender bem o mercado.


Automação: O equipamento em sí é muito importante para o processamento, cada empresa possui a sua tecnologia de construção, e cada uma defende um design diferente, mas para que tudo funcione com 100% de precisão é preciso ter uma boa automação do processo. Todos os componentes tem que se conversar bem e no tempo exato. Nos próximos textos estarei falando um pouco mais de automação, sua importância e por que adquiri-la com a empresa que irá vender os equipamentos.
Ao final do processo o material que está sendo misturado dentro do recobridor é descarregado para um silo pulmão que fica abaixo dele e o mesmo é dosado através de um misturador de paletas para um elevador de canecas que irá fazer a progressão desse material para uma próxima etapa.



Na próxima etapa estaremos falando sobre os silos de multi partículas.

Deixe uma resposta