Linhas de ensaque: Empacotadeiras e carregamento a granel

Finalizando nosso módulo de estudo sobre linhas de ração extrusada temos a parte final que é o ensaque do produto ou o carregamento a granel.

Hoje as empresas separam as formas de ensaque de acordo com o perfil dos seus clientes e ramo em que estão atuando , para a linha pet food o padrão é o ensaque em sacos de 1 a 25 Kg, e as rações para peixes que pode seguir a linha de ensacados ou fazer o carregamento a granel, muitas empresas já  possuem sistema de entrega via carregamento a granel o que diminui os custos com embalagem e firma uma parceria de longa data com os clientes.

Ensacadeira Semiautomáticas:

O sistema de empacotamento mais comum que as empresas utilizam no início de suas atividades são as ensacadeira semiautomáticas na qual são acopladas na boca dos silos. Elas possuem um sistema de pesagem interno que realiza a pesagem e descarrega para dentro do saco de ração. Por ser um sistema semiautomático o cliente precisa comprar os sacos de ração já formados, ou seja, somente com um dos lados abertos, quando o operador for fazer a operação de ensaque ele acopla a parte aberta na boca de descarregamento da ensacadeira, e o produto pesado é descarregado para dentro do saco.

Após ser ensacado o produto passar por uma esteira que faz a selagem da embalagem a quente ou costura a boca do saco caso esse seja ração para peixe embalado em saco de ráfia.

Para o começo de uma empresa é um equipamento muito bom, pois não tem desperdício de embalagens requer pouco ajuste técnico para funcionamento e não precisa de uma pessoa especializada para operar.

Ensacadeira Automáticas:

 

As empacotadeiras automáticas apesar de terem um menor custo de matéria prima para trabalhar, exigem mais do operador, é necessário ter uma pessoa com bom treinamento para poder operá-la. O funcionamento deste equipamento é simples o produto fica armazenado em um silo na parte superior e é dosado aos poucos para dentro de uma balança, o produto pesado é descarregado para dentro da embalagem que está sendo formada.

Para se trabalhar com essas empacotadeira é preciso comprar a embalagem totalmente aberta, ou seja, ela vem toda desmontada e a máquina faz as soldas na embalagem enquanto o produto está sendo pesado. O processo é rápido e economiza duas pessoas na linha de ensaque, mas como mencionei anteriormente é preciso ter a equipe de trabalho sempre atualizada de como trabalhar com o equipamento, pois para que ela trabalhe bem o operador tem que ficar de olho na temperatura das soldas que fazem o fechamento do pacote, na posição do rolo de embalagens para ver se ele não está torto, ou frouxo, pois se ele deslizar a foto célula que faz a leitura pode deixar de trabalhar e o equipamento fazer uma embalagem soldada em pontos diferentes, ele tem que saber trocar o tubo formador da empacotadeira.

O tubo formador é por onde a ração desce depois de pesada ela passa por dentro do tubo, enquanto a embalagem vai se formando pelo lado de fora do tubo. Estarei colocando o caminho de vídeos para facilitar a visualização das partes da empacotadeira. Nesse sistema o saco já sai pronto restando ao funcionário somente empilhar no palete que irá para o estoque.

Algumas empresas dessas empacotadeiras já possuem um sistema automatizado que ao final do sistema de ensaque elas possuem um robô que pega os sacos empilham em um palete e já passam o filme plástico para deixar a pilha de sacos estável para carregamento e estocagem.

Carregamento a Granel:

Não chega ser um sistema de empacotamento, pois não se utiliza embalagens, mas é muito usado pelas empresa que trabalham com rações para peixe, elas carregam os caminhões e esses entregam o produto direto nas fazendas produtoras.

O carregamento a granel pode ser feito de duas formas:

Com pesagem automática: onde o fabricante terá silos com grande volume de armazenamento e assim que o caminhão estacione abaixo dos silos, um robô irá receber as rações dos silos pesar a quantidade na qual o caminhão pode descarregar e por fim descarregar na caçamba do caminhão.

Com pesagem manual: Da mesma forma o caminhão estaciona abaixo dos silos e um operador da fábrica tem que subir em cima dos caminhões para abrir as portas de carregamento e ajustar a manga de pano que fará a transição da ração que sai do silo para dentro do caminhão. Essa é uma operação mais demorada que necessita de mais cuidados da empresa com o operador que irá trabalhar em lugares altos e escorregadios.

Assim que o caminhão está cheio é feito a pesagem na balança da empresa, ou existem casos que no próprio local onde é feito o carregamento já existe uma balança, dessa forma outro operador que está monitorando o peso fecha a comporta do silo encerrando o carregamento.

  

Assim encerramos o fluxo de produção para uma fábrica de ração extrusada para cães, gatos e peixes, nos próximos dias estarei preparando mais materiais referentes à instalação da fábrica de ração, como automação, instalação elétrica, formulação entre outros.

Deixe uma resposta