Estudo mostra potencial para redução da produção de metano por bovinos

Uma equipe internacional de cientistas mostrou que é possível criar gado visando reduzir suas emissões de metano.

Publicado na revista Science Advances, os pesquisadores mostraram que a genética de uma vaca individual influenciou fortemente a composição dos microrganismos em seu rúmen.

“O que mostramos é que o nível e o tipo de micróbios produtores de metano na vaca são em grande parte controlados pela composição genética da vaca”, disse um dos líderes e co-autor do projeto, o professor John Williams, da Escola de Ciências Animais e Veterinárias da Universidade de Adelaide. “Isso significa que poderíamos selecionar animais menos propensos a ter altos níveis de bactérias produtoras de metano em seu rúmen.”

O gado e outros ruminantes são produtores significativos de metano , que é um gás de efeito estufa que contribui com 37% das emissões de metano resultantes da atividade humana. Uma única vaca, em média, produz entre 70 e 120 kg de metano por ano e, em todo o mundo, há cerca de 1,5 bilhão de cabeças de gado.

O estudo vem de um projeto chamado RuminOmics, liderado pelo Instituto Rowett da Universidade de Aberdeen e envolvendo o Parco Tecnologico Padano na Itália (onde o Professor Williams costumava trabalhar), a Universidade Ben-Gurion do Negev em Israel, e um número de outras instituições na Europa e nos EUA.

Os pesquisadores analisaram os microbiomas a partir de amostras de fluido ruminal de 1000 vacas, juntamente com a medição do consumo de ração de vacas, produção de leite, produção de metano e outras características bioquímicas. Embora este estudo tenha sido realizado em vacas leiteiras, a herdabilidade dos tipos de micróbios no rúmen também deve ser aplicada a bovinos de corte.

“Anteriormente sabíamos que era possível reduzir as emissões de metano, alterando a dieta”, disse o professor Williams. “Mas mudar a genética é muito mais significativo – desta forma, podemos selecionar vacas que produzem permanentemente menos metano”.

O professor Williams disse que a criação de gado com baixo teor de metano dependerá, no entanto, das prioridades de seleção e do quanto compromete a seleção para outras características desejadas, como qualidade da carne, produção de leite ou resistência a doenças.

“Agora sabemos que é possível selecionar a produção de baixo teor de metano”, diz ele. “Mas depende do que mais estamos selecionando, e o peso que é colocado sobre o metano – isso é algo que será determinado pelas pressões da indústria ou da sociedade.”

Os pesquisadores também encontraram uma correlação, embora não tão alta, entre os microbiomas das vacas e a eficiência da produção de leite.

“Nós ainda não sabemos, mas se a produção de baixo teor de metano equivale a maiores eficiências de produção – o que pode ser verdade, já que a energia é necessária para produzir o metano – então isso seria uma situação de ganha-ganha “, disse o professor Williams.

Esta pesquisa, do Davies Research Center, no campus Roseworthy da Universidade de Adelaide, se alinha com a prioridade de envolvimento da indústria da indústria no combate ao grande desafio da sustentabilidade ambiental.

Fonte: Beef Central, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *