É rentável comprar uma fábrica de ração usada?

      Nenhum comentário em É rentável comprar uma fábrica de ração usada?
Existem casos em que um empreendedor passa por todas as etapas de compra de uma fábrica nova seja ela de farelado, extrusado ou peletizado, essas etapas são, a busca por um bom fornecedor de equipamentos, aprovação do projeto, adequação do orçamento as necessidades reais de investimento, processos burocráticos no banco, entre outras partes técnicas internas da fábrica.
 
E aos 50 minutos do segundo tempo aparece aquilo que pode ser a salvação imediata dos problemas, uma fábrica no mesmo setor produtivo na qual a pessoa está comprando só que com um valor muito mais baixo do que o de uma fábrica nova.
 
E ai o que fazer? Devemos arriscar a começar um produto com uma fábrica que já produz algum produto parecido e começar a comercializar logo, ou devemos continuar o processo de financiamento que nos dias atuais anda moroso e aguardar pelo menos mais 1 ano para poder iniciar o processo de fabricação?
 
A resposta é muito simples. DEPENDE!
 
Antes de dar as explicações vou dar a minha opinião de quem está neutro na situação, mas consegue observar os dois lados. Eu compraria a fábrica que já está em produção e com o dinheiro do financiamento eu reformaria os equipamentos que já estão em produção ou faria a troca de alguns deles e faria um novo projeto incorporando a fábrica nova na que já está trabalhando. Por quê? A não ser que a pessoa tenha dinheiro aos montes um novo empreendimento leva algum tempo para trazer rentabilidade e acima de tudo para ter a confiança dos clientes. Uma fábrica que já esta em operação no mínimo ela vai ter clientes para manter o custo dela, caso contrário ela já teria fechado as portas e se ela está à venda é por que ela está nesse ponto ou bem próximo, qualquer outro motivo é bem difícil de acontecer.
 
Se aproveitando disso é possível melhorar a qualidade dos produtos para atender esses clientes que vão manter a base da empresa e aos poucos injetar novos produtos e linhas de produção. Dessa forma a empresa terá um capital de giro constante facilitando novas manobras financeiras. Esse é o meu ponto de vista, mas ele só é aplicado caso a empresa esteja em boas condições de funcionamento.
Voltando a resposta anterior. Temos dois fatos que devem ser considerado, um é estado físico dos equipamentos e o outro são as documentações da empresa, como eles estão?
Um longo processo pode se estender até você passar para dentro da fábrica e começar a produzir os seus produtos. Se você não tem um mecânico e um eletricista de confiança essa é a primeira coisa que você tem que providenciar antes de assumir uma responsabilidade como esta.
 
A análise deles é fundamental para a compra dessa linha de produção, pela experiência deles, eles podem te dizer se a fábrica está trabalhando com um plano de manutenção sendo ela: preventiva, preditiva ou de correção. E for corretivo, passe longe, pois equipamentos devem estar todos rangendo, pingando graxa, e cada hora trabalhada deve parar 3 horas para manutenção.
 
Um bom eletricista irá lhe dizer a condição na qual os equipamentos estão ligados na rede, se tem proteção, como está a partida de equipamentos com motores pesados, isso influi diretamente no consumo de energia elétrica da fábrica e dependendo do profissional irá até lhe dizer se a empresa possui automatização se possuir poderá afirmar se ela é eficiente ou não e caso não possua, quanto será necessário investir para fazer a implantação.
 
Grosso modo isso pode parecer até conservador demais, mas para quem nunca entrou em uma fábrica e viu a quantidade de problemas ela pode dar, não sabe a dor de cabeça que esses dois profissionais estarão te poupando.
 
Agora se a fábrica está rodando com frequência sem quebras e o motivo da venda não é nada relacionado à crise financeira da empresa, dificilmente ela apresentará algum problema. Uma fábrica de roda 24h por dia apresenta menos problemas do que uma que roda apenas 8h.
 
Pode parecer estranho a afirmação anterior, mas quando uma linha de produção faz 3 turnos o número de quebras reduz bastante, pois não existe o problema de a graxa endurecer nas engrenagens e mancais, não acontece o acumulo de pós em painéis e Quadro de comandos o que reduz os problemas elétricos, dentro outros problemas que acontece quando os equipamentos trabalham pouco.
 
Quando resolver a questão dos equipamentos da empresa, passe para o administrativo, e analise todos os documentos, registros nos órgãos competentes, registro das formulações, a forma como estão cadastrados a entrada e saída de produtos da empresa. Se a compra for realizada, dependendo da situação você se torna responsável por tudo que a gestão anterior realizou.
 
E por ultimo uma dica de ouro, caso você compre somente os equipamentos e tenha que desmontar e levar para outro local, as chances desses equipamentos darem problemas na desmontagem e posterior remontagem são enormes, quando se desacopla os equipamentos é necessário fazer um bom trabalho de recuperação e vedação para minimizar os problemas de vazamento durante o novo processo de produção. O melhor mesmo é deixar os equipamentos onde estão e tentar negociar com o aluguel ou compra do prédio.
 

 

Existem outros fatores a ser considerados, mas estes irão ser discutidos em outras oportunidades que são as seguintes: Devemos manter o quadro de funcionários? Isso relacionado principalmente ao chão de fábrica, o administrativo também deve ser pensado, mas com mais cautela, pois são eles que irão nos mostrar os problemas da gestão anterior. E o outro fator é como conduzir esses equipamentos daqui para frete quais os programas de qualidade mínimos que devem ser implantados para o bom funcionamento da fábrica.

Deixe uma resposta