Aventuras do Pet Food na China

      Nenhum comentário em Aventuras do Pet Food na China

Debbie Phillips-Donaldson, editora-chefe da Petfood Industry, compartilha suas ideias e opiniões sobre alimentos para animais de estimação, abordando as tendências do mercado, bem como notícias e desenvolvimentos em nutrição animal, segurança alimentar e outros tópicos importantes para a indústria.

Muitas categorias de produtos foram afetadas nas crescentes guerras comerciais e tarifárias entre as duas maiores economias do mundo, e os alimentos para animais de estimação não estão imunes. Desde 6 de julho, os alimentos para animais de estimação exportados dos EUA para a China estão sujeitos a uma tarifa de 25%, e isso pode não ser o fim, já que os líderes dos países continuam a ameaçar retaliações adicionais.

Embora os donos de animais chineses pareçam preferir marcas de pet food dos EUA e de outros mercados desenvolvidos, percebendo que são mais seguros e de maior qualidade, esses consumidores agora estão sentindo os efeitos dos aumentos de preços resultantes das tarifas sobre alimentos para animais dos EUA. A Global Times, uma empresa de mídia com sede na China, informou recentemente que alguns donos de animais chineses estão considerando boicotar as importações de alimentos para animais de estimação dos EUA – e não apenas por causa dos preços mais altos. Pelo menos um dono de animal de estimação entrevistado pelo Global Times culpou os EUA pela guerra comercial.

Tarifas não é a única coisa que impulsiona a indústria de alimentos para animais domésticos.

Enquanto marcas de alimentos para animais de empresas sediadas fora do país ainda respondem por 66% do mercado chinês de alimentos para animais de estimação, de US $ 2,2 bilhões, segundo dados da GfK, essa participação caiu de 74% em apenas um ano. Mesmo antes e além das guerras tarifárias com os EUA, o governo chinês vem apoiando e promovendo a indústria nacional e seu crescimento.

Às vezes isso significa desestimular (pelo menos indiretamente) as importações de alimentos para animais de estimação. Por exemplo, a licença exigida na China para vender alimentos para animais por estrangeiros sempre foi notoriamente difícil de obter. Em seguida, novas regulamentações de importação foram emitidas em maio encerraram uma brecha que anteriormente permitia que empresas norte-americanas e de outros países vendessem seus produtos por meio de um mecanismo chamado comércio eletrônico transfronteiriço, no qual as empresas poderiam enviar seus produtos para uma zona de livre comércio, como Hong Kong, e um pedido de consumidor on-line através de uma plataforma de e-commerce chinesa poderia ser realizado a partir desse inventário.

Os comentários de Wang Jinquan, Ph.D., professor associado do Instituto de Pesquisa de Rações da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas (uma agência do governo) e principal responsável pela regulamentação dos alimentos para animais de estimação, expõem claramente a perspectiva do governo. “Com o rápido desenvolvimento do e-commerce, alguns fabricantes estrangeiros de alimentos para animais de estimação cancelaram o controle regulatório do Ministério da Agricultura e entraram no mercado chinês por meio dos canais B e C; pet food estrangeiros tem preço e vantagens pela superioridade da marca, isso tem um impacto sobre o produto doméstico de pet food. ”

(Divulgação: Wang apresentou os novos regulamentos e informações atualizadas sobre a indústria chinesa de alimentos para animais de estimação no Pet food Forum China 2018 em 21 de agosto em Xangai.)

Assim, parece que a popularidade do pet food Americano e de outras nações caíram no desgosto da população chinesa – e a atual situação comercial certamente não poderá ajudar.

Produtores estrangeiros de alimentos para animais domésticos na China

Quanto às empresas estrangeiras que conseguiram registrar sua ração para animais de estimação no governo chinês, tiveram um pico recorde de 60 registros em 2017, de acordo com Wang. (Essas são “empresas” que importam rações para animais de estimação e não marcas individuais.) Apenas 16 dessas empresas são da América do Norte ou do Sul: Canadá, Brasil e Argentina, além dos EUA. Não está claro quantas dessas empresas são Norte Americanas, mas é interessante que por volta de 13 desses produtores representem os maiores mercado de pet food do mundo dentro da China.

O maior bloco de importadores são europeus e representam 23 empresas (Bélgica, França, Holanda, Inglaterra, Alemanha, Espanha, Noruega, República Tcheca); no entanto, a maior fatia do mercado pertence à Austrália e Nova Zelândia, que juntas representam 11 empresas. A Ásia – especificamente, Malásia, Tailândia, Coréia do Sul e Japão – é representada por 8 empresas.

Em dados preliminares apresentados no Pet food Forum China, Wang citou nove marcas nacionais de alimentos para cães e gatos cujo volume anual de vendas ultrapassou 100 milhões de Yuan (US $ 14,5 milhões) em 2017, segundo um relatório compilado por ele e seus colegas no Ministério da  Agricultura. As receitas das empresas variaram de pouco mais de 600 milhões de Yuan (US $ 87 milhões).

Monitorando a atividade na Pet Fair Asia

Embora essas receitas possam parecer pequenas em comparação com as de outras empresas de pet food em todo o mundo, os produtores chineses estão crescendo rapidamente. Por exemplo, a Navarch Pet Products, que ficou em sexto lugar na lista de Wang, com cerca de 175 milhões de Yuan em vendas (US $ 25,4 milhões), está experimentando um crescimento anual composto de 36%.

Talvez outro sinal da força crescente dessas empresas de pet food chinesas seja sua presença em grandes feiras de animais de estimação (na China e em outros lugares) como a Pet Fair Asia, que acontece logo em seguida que o Pet food Forum China em Xangai. O tamanho e a atividade de seus estandes rivalizam facilmente com as marcas multinacionais.

Ainda assim, as arquibancadas dessas multinacionais sempre atraíram muita atenção e tráfego; Eu estarei atento para ver se varejistas chineses e outros profissionais da indústria de animais ainda os visitam no mesmo ritmo dos anos anteriores. Não importa o que aconteça, eu antecipo que muitas discussões em Xangai girarão em torno das tarifas, das novas regulamentações dos alimentos para animais de estimação e suas conseqüências. Se essas discussões fornecem alguma clareza, ainda está por ser visto – faremos uma acompanhamento dessas discussões.

Fonte: Pet Food Industry -Traduzido pela equipe do Portal R2S

Rafael Resende Silva

Skype: eng.rafaelrs

Forte Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *